Projeto Coruja ou Project Owl

Para combater a falsas notícias, discursos de ódio e controlar os resultados da pesquisa que mostram informações falsas, ofensivas ou ultrajantes sobre certos tópicos, o Google anunciou algumas mudanças importantes em seu recurso de pesquisa. A atualização do Google, nomeada de de código “Project Owl”, dá aos consumidores duas novas maneiras de delatar o que eles percebem como problema nos resultados da pesquisa.

A empresa também está usando equipes de pessoas como parte de um esforço para obter seus algoritmos para mostrar informações mais confiáveis, informou a Fortune na terça-feira.

A maior mudança que a empresa fez foi a função de auto-completar do Google onde o motor de busca sugeriu opções para completar a sua consulta.

“Com o esforço de longo prazo em mente, hoje estamos dando o próximo passo para continuar a entrega de conteúdo de alta qualidade na web. Isso inclui melhorias no ranking de busca, maneiras mais fáceis para as pessoas fornecerem feedback direto e maior transparência de como a pesquisa funciona “, escreveu a Google em um post.

Modificações

O Google incorporou uma forma de os usuários dizerem ao Google se se encontraram algo errado ou censurável. A ferramenta agora vem com uma pequena linha que diz “relatar previsões inadequadas”. Se um usuário clica na linha, uma caixa aparece que permite ao usuário dizer ao Google que as previsões são odiosas ou violentas e assim por diante.

A outra maneira é dizer se as caixas de informações contêm informações imprecisas, os usuários podem dizer à empresa para responder se a informação foi útil ou eles têm algum problema com ela. A terceira grande mudança que vem para o Google é o motor de busca vai começar a dar mais peso para informações com maior “autoridade”.

“Combinamos centenas de sinais para determinar quais os resultados que mostramos para uma determinada consulta – do frescor do conteúdo, ao número de vezes que suas consultas de pesquisa aparecem na página”, escreveu o Google.

“Ajustámos os nossos sinais para ajudar a divulgar páginas autoritativas e rebaixar conteúdos de baixa qualidade, de forma semelhante aos resultados de negação do Holocausto que vimos em dezembro são menos prováveis ​​de aparecer”, acrescentou a empresa. As mudanças serão lançadas gradualmente, disse a empresa.